© 2017 Lúcia Lemos - Todos os direitos reservados

Projeto Gráfico de Aika - A Canção dos Cinco

Ilustrações e diagramação

A ambientação da história alterna entre o Japão atual e o mundo fantástico de Gattai: uma terra mágica onde habitam diversas raças, demônios perseguem os vivos e dragões podem ser extintos a qualquer momento. Para guiar o leitor, a primeira ilustração do livro é um mapa onde são marcados os principais locais por onde passarão os personagens.

O principal diferencial do livro está em suas ilustrações de miolo, onde alguns momentos da história são transformados em mangá. Há uma quebra no texto e o leitor vive uma experiência diferente aos ver os personagens serem retratados como nos famosos quadrinhos japoneses. O livro conta também com um glossário de monstros e algumas artes onde são explicados os deuses e símbolos de Gattai.

As ilustrações ambientadas no mundo de Gattai são em fundo preto, por conta de todo o mistério envolvendo a ele

Design e Identidade

A capa do livro foi planejada para o formato 16x23, com lombada de até 8 cm. Desenvolvi uma ilustração sangrada, cobrindo toda a capa de orelha a orelha.  A arte foi feita em tons violáceos, comuns nas capas de fantasia, destacando o movimento do dragão Tsubomi e os principais heróis: Aika (a jovem com a foice) e Kurikara (o herói de Gattai, um homem com asas de Fênix).

A logo e todo o projeto gráfico da saga foram inspiradas no estilo Art Nouveau, devido a forte presença feminina na história e, principalmente, a ligação do estilo com as artes japonesas. O estilo Art Nouveau é muito utilizado nos animes e mangás protagonizados por heroínas e enredos sobre magia. Nas ilustrações de miolo, o estilo é replicado nos pequenos detalhes como o movimento dos cabelos dos personagens, nas flores, nos símbolos dos deuses e da magia e em outros grafismos.

e sua magia. Já a ilustrações ambientadas na Terra, onde a heroína vive, são em fundo branco.

Para a versão impressa do livro, utilizei a fonte "Fontin" para os títulos, devido aos seus terminais semelhantes aos caracteres asiáticos e a fonte "Crimson" para o texto. A Crimson tem uma ótima leitura e grande altura x, podendo ser usada com o corpo menor, a fim de diminuir o número de páginas e baratear o custo do livro. Ambas as fontes são gratuitas para uso comercial.

 

O Papel pólen foi escolhido não apenas por ser mais confortável de ler. Sua cor se assemelha a cor do papel dos mangás antigos publicados no Brasil, deixando as ilustrações em mangá mais parecidas com os antigos volumes que comprava quando era mais nova.